Zona rasa, Cabo Bangwe, região de Kigoma, Tanzânia.

Marcus Vinicius David – Brasil

O aquário mimetiza uma zona rasa e luminosa de um habitat intermediário (rocha e areia) no Cabo Bangwe, região de Kigoma, costa leste do Lago Tanganyika, Tanzânia (4°54’37.9″S 29°35’54.9″E). Região de ocorrência, entre outras espécies, do Eretmodus marksmithi, um góbio do Lago Tanganyika.

O aquário foi exclusivamente planejado para receber o único exemplar desta espécie encontrado no país, com o objetivo de oferecer as melhores condições possíveis para garantir o bem-estar animal.
Dimensões: 70/50/48 com sump traseiro (sexto vidro).

Elementos filtrantes:

Manta de fibras de poliéster e cerâmica sinterizada.
Motobomba de 2000 L/h.

Iluminação:

Luminária LED (branco frio[6000 K]/azul/vermelho) e holofote LED (RGB) com intensidade ajustável.

Hardscape:

Aproximadamente 50 Kg de rochas de arenito, rocha sedimentar e típica na maior parte da costa do Lago Tanganyika. Além das rochas de diferentes tamanhos e formas irregulares, o paisagismo é completado com areia de faixa granulométrica larga, que varia desde grãos muito finos até areia grossa (acima de 10 mm). Galhos e conchas vazias completam a montagem.
A montagem é feita em diferentes níveis que formam planos no intuito de favorecer o comportamento natural do animal. Como todos os góbios, preferem se fixar às rochas.

Fauna composta por único espécime (macho) do Eretmodus marksmithi. Na aquariofilia é comum que a espécie seja erroneamente vendida como Eretmodus cyanostictus.
Equisetum giganteum compõem a montagem.